Meus olhares vão além de um único universo, passeio por sonhos, desejos, fetiches, sentimentos...olhando o mundo de forma livre...da forma como mulher que sou.
"A partir do momento que você descobre realmente a pessoa que você é, o que falam sobre você já não tem tanta importância assim." Caio F. Abreu

domingo, 29 de agosto de 2010

Reflexão:O Passarinho Engaiolado

Dentro de uma linda gaiola vivia um passarinho. Sua vida era segura e tranqüila. Tranqüilidade e segurança: Coisas que todos desejam. Barco ancorado não naufraga. Avião em hangar não cai. Para viver em segurança as pessoas constroem gaiolas e passam a viver dentro delas. Dentro das gaiolas não há perigos. Só há monotonia. Todo dia a mesma coisa. Tudo o que acontece todo dia do mesmo jeito é chato. Esse é o preço da segurança: A Chatice.
Dentro da gaiola não há muito que fazer, seja ela feita com arames de ferro ou com deveres. Os sonhos de aventuras selvagens aparecem, mas, logo que vêem os arames, morrem. Alguns, malvados, furam os olhos dos pássaros engaiolados. Dizem que pássaro de olho furado canta mais bonito. Talvez, cegos, eles se esqueçam de que estão presos numa gaiola. Mas, mesmo que não estivessem, de que lhes adiantaria ter asas para voar se não têm olhos para ver? Sua cegueira é a sua gaiola.
O nosso amigo, passarinho engaiolado, bem se lembrava do dia em que, enganado pelo alpiste tentador, saboroso, entrou no alçapão. Alçapões são assim: Têm sempre uma coisa apetitosa dentro. Mas basta que a coisa apetitosa seja bicada para que a porta se feche para sempre, até que a morte a abra...
Do seu pequeno espaço ele olhava os outros passarinhos. Os bem-te-vis, atrás dos bichinhos; os sanhaços, entrando mamões adentro; os beija-flores, com seu mágico bater de asas; os urubus, em seus vôos tranqüilos na fundura do céu; as rolinhas, arrulhando, fazendo amor; as pombas, voando como flechas.
Ele queria ser como os outros pássaros, livres... Ah! Se aquela maldita porta se abrisse... Isso era tudo o que ele desejava. Pois não é que, para surpresa sua, um dia o seu dono esqueceu a porta da gaiola aberta? Ele poderia agora realizar todos os seus sonhos. Estava livre, livre, livre! Saiu. Voou para o galho mais próximo.
Olhou para baixo. Puxa! Como era alto! Sentiu um pouco de tontura. Estava acostumado com o chão da gaiola, bem pertinho. Teve medo de cair. Agachou se no galho, para ter mais firmeza. Viu uma outra árvore mais distante. Teve vontade de ir até lá. Perguntou-se se suas asas aguentariam. Elas não estavam acostumadas. O melhor seria não abusar, logo no primeiro dia. Agarrou-se mais firmemente ainda. Nesse momento um insetinho passou voando bem na frente do seu bico. Chegara a hora. Esticou o pescoço o mais que pôde, mas o insetinho não era bobo. Sumiu mostrando a língua.
Ei, você!" - era uma passarinha. "Vamos voar juntos até o quintal do vizinho? Há uma linda pimenteira, carregadinha de pimentas vermelhas. Deliciosas. Só é preciso prestar atenção no gato que anda por lá..." Só o nome "gato" já lhe deu um arrepio. Disse para a passarinha que não gostava de pimentas. A passarinha procurou outro companheiro. Ele preferiu ficar com fome. Chegou o fim da tarde e, com ele, a tristeza do crepúsculo. A noite se aproximava. Onde iria dormir? Lembrou-se do prego amigo, na parede da cozinha, onde a sua gaiola ficava dependurada. Teve saudades dele. Teria de dormir num galho de árvore, sem proteção. Gatos sobem em árvores? Eles enxergam no escuro? E era preciso não esquecer os gambás. E tinha de pensar nos meninos com os seus estilingues, no dia seguinte. Tremeu de medo. Nunca imaginara que a liberdade fosse tão complicada. Somente podem gozar a liberdade aqueles que têm coragem. Ele não tinha.
Teve saudades da gaiola. Voltou. Felizmente a porta ainda estava aberta. Entrou. Pulou para o poleiro. Adormeceu agradecido a Deus pela felicidade da gaiola. É muito mais simples não ser livre. Nesse momento chegou o dono. Vendo a porta aberta, disse:
"Passarinho bobo. Não viu que a porta estava aberta. Deve estar meio cego. Pois passarinho de verdade não fica em gaiola. Gosta mesmo é de voar..."
Partes de um texto de Rubem Alves
§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§
Nós submissas ficamos "presas" em nossas gaiolas também por opção, mas a diferença é de que fazemos isso por gosto e não por comodismo ou conformismo. Nossa "gaiola" esta sempre com a porta aberta pelo nosso Dono, temos o direito a esta escolha porém ficamos ali sabendo da felicidade que nosso Dono sente com isso, que o escolhemos por livre vontade e com Ele desejamos sempre estar. Estamos presas não por correntes ou gaiolas, estamos presa pelo nosso coração ao nosso Dono e desse modo permanecemos sempre a Lhe alegrar e iluminar. Voamos sempre em direção aos pés de nossos Donos pois não há melhor lugar para se estar.Vamos refletir esse texto dentro da nossa realidade submissa?!
Desejo a você um lindo final de semana e boa reflexão.
Ъყ § cristal §

4 comentários:

DEXPEX_{Amar Yasmine} disse...

Minha linda menina cristal!

Os textos de Rubem Alves são de sabedoria delicada...

Eu o conheci há uns três anos, quando esteve aqui em BH para uma palestra. Era minha escala de plantão no trabalho e fui designada para fazer toda a cobertura da passagem dele por Belo Horizonte. Aqueles dias que a gente é acordada pela sorte.

Eu o acompanhei durante todo o tempo, ouvindo suas preciosas palavras. Conversamos muito, inclusive sobre SM, contei a ele que sou uma escrava, que já fiz palestra sobre submissão e masoquismo numa faculdade de Psicologia (ele é psicanalista). Almoçamos juntos, fumamos, bebemos, tiramos fotos, demos boas gargalhadas.

De volta para o aeroporto, num momento de silêncio no carro, eu falei um trecho de um de seus textos que sei de cor.
Quando acabei ele disse: Você errou.
Respondi: Não, estou certa.
Então ele disse que eu não poderia saber mais do que ele que tinha escrito o texto.
Rebati dizendo que tinha lido dezenas de vezes e que tinha o livro na cabeceira da minha cama. Aí ele sorriu e disse que era brincadeira, que eu estava certíssima e que ele estava muito feliz e lizongeado por alguém saber de cor.
Como se fosse possível esquecer as belezas que ele escreve... como este texto do passarinho.

Nos despedimos, ele se foi e eu fiquei com gosto de quero mais...

Bom, o livro se chama "O Retorno e Terno" e o texto "As mil e uma noites". Leia, vc vai adorar.

Besos de carinho e amor!

DEXPEX_{Amar Yasmine}

{ísis}_MN ENTREGA E SUBMISSÃO disse...

Querida amiga!
Já estive aqui e meu comentário foi para o espaço, deu erro aqui1
bem amei o texto a gaiolinha, lindoooooooo!
Amiga,nos submissas somos como esse passarinho, mesmo a porta a janela estando aberta estamos fielmente no nosso lugar que nos foi designado, não que sejamos condicionadas como essa ave, mas sim pelo prazer da entrega de estar sempre peresente qd o nosso dono, nos chama e estamos sempre presente!
linda que vc tenha um semana iluminada, nessa Avaliação!
beijos no seu coração

{ísis}_MN

{♥Åññä Lµí§ä♥}_L€ØNARÐØ disse...

Olá!
Parabéns tá lindo
o seu Blog:)
Fique à vontade sempre
no meu Blog,é um prazer te receber.

Beijoss...

{♥Åññä Lµí§ä♥}_L€ØNARÐØ

ACM disse...

Obrigado por sua visita e comentário no blog.
Já estou te seguindo por aqui também.

ACM